Google+ Followers

terça-feira, 25 de outubro de 2016

Cunha pode ser condenado a 160 anos de prisão

Juntando todos os processos em que é acusado, Eduardo Cunha está sujeito à sentença recorde de 160 anos de cadeia. Se depender do desejo da força-tarefa da Lava Jato, será a maior condenação da História, no Brasil, de um político suspeito de crimes de corrupção. Cunha não tem alternativa senão tentar um acordo de delação premiada, para reduzir o tempo de cárcere. Foto: Lula Marques. Cláudio Humberto. Jornalista

5 comentários:

  1. Ainda é pouco. Deveria pegar uns mil anos de cadeia e devolver o que roubou.

    ResponderExcluir
  2. Esse foi o resultado do mal que vez a Dilma. Quem planta colhe.

    ResponderExcluir
  3. Com a delação premiada vão aparecer centenas de deputados envolvidos com o esquema de corrupção no Brasil. Como vai ficar o quadro politico daqui para frente?

    ResponderExcluir
  4. O juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal, em Brasília, aceitou nesta quarta-feira, 26, denúncia oferecida pelo Ministério Público Federal (MPF) contra o deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o ex-ministro Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), o operador do mercado financeiro Lúcio Funaro e mais duas pessoas por suposto esquema de desvio de recursos na Caixa. Os envolvidos agora passam à condição de réus e responderão a ação penal por crimes de corrupção, lavagem de dinheiro, prevaricação e violação de sigilo funcional. Fonte: Portal bol

    ResponderExcluir
  5. O ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Marcelo Navarro Ribeiro Dantas negou no dia 27 de outubro pedido para suspender as investigações sobre o apartamento tríplex, no Guarujá (litoral de São Paulo), que envolvem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
    Na ação, a defesa de Lula alegou que houve irregularidades na decisão do juiz federal Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal em Curitiba, responsável pelas investigações da Operação Lava Jato, ao devolver o processo para a Justiça de São Paulo, onde as investigações começaram.
    Ao julgar o caso, o ministro entendeu que não houve ilegalidades na decisão e que o procedimento adotado obedeceu o princípio da economia processual. "Tendo havido anuência, e não choque de entendimentos entre os julgadores em questão sobre o que caberia a cada um deles julgar, não há como falar em conflito de competência", decidiu Dantas. Em agosto último, Lula e sua esposa Marisa Letícia foram indiciados pela Polícia Federal por terem sido "beneficiários de vantagens ilícitas" na reforma do triplex e na guarda de bens do ex-presidente em um guarda-volumes. Fonte: Agência Brasil

    ResponderExcluir